Porque as pessoas jogam xadrez?

Você já jogou xadrez? Estudos confirmam que durante a pandemia do Covid-19, a popularidade do xadrez aumentou muito. Isto porque o jogo permite que o indivíduo fuja da vida real e se transporte para uma nova realidade de 64 quadrados, envolvendo reis, rainhas, cavalos, torres, bispos e peões em guerra. Ainda que os meios de entretenimento venham evoluindo a cada dia que passa, este jogo com mais de 1500 anos de história continua sendo um sucesso de vendas, e já chegou a ultrapassar franquias famosas como League Of Legends e Fortnite.
Publicado em Educação dia 3/11/2022 por Alan Corrêa

Você já jogou xadrez? Estudos confirmam que durante a pandemia do Covid-19, a popularidade do xadrez aumentou muito.

Isto porque o jogo permite que o indivíduo fuja da vida real e se transporte para uma nova realidade de 64 quadrados, envolvendo reis, rainhas, cavalos, torres, bispos e peões em guerra. Ainda que os meios de entretenimento venham evoluindo a cada dia que passa, este jogo com mais de 1500 anos de história continua sendo um sucesso de vendas, e já chegou a ultrapassar franquias famosas como League Of Legends e Fortnite.

Como funciona o xadrez

Xadrez, também conhecido como xadrez ocidental ou xadrez internacional, é um esporte, arte e também ciência
Xadrez, também conhecido como xadrez ocidental ou xadrez internacional, é um esporte, arte e também ciência

Formado por 28 peças, sendo metade delas brancas e a outra metade pretas, o xadrez é disputado por duas pessoas: uma controla as peças brancas, e a outra as peças pretas. O tabuleiro do jogo é dividido em 64 quadrados que irão abrigar, individualmente, uma peça. Ou seja, trata-se de um plano quadriculado padronizado e bicolor.

O rei, peça principal e mais importante do jogo, é responsável por determinar o fim de uma partida, já que a partir do momento que a peça for alcançada, o jogo termina. Além disso, este só pode andar uma casa para qualquer direção por rodada. Já a rainha, é conhecida como a peça mais forte e poderosa do jogo, podendo percorrer o tabuleiro inteiro em poucas jogadas. Ao lado das figuras reais estão os bispos, que andam em diagonal e podem chegar de uma ponta a outra facilmente. Logo após os bispos estão os cavalos, que se movimentam em forma de L, ou seja, duas casas para frente e uma para o lado. Já as torres, são peças que andam em linha reta quantas casas quiser, e os peões possuem uma função parecida, mas só podem mover uma casa por rodada.

Pode ser classificado como um jogo de tabuleiro de estratégia (do tipo recreativo ou competitivo) para dois jogadores. O tipo ocidental é diferente dos seus antecessores antigos (persa e indiano) e de outras variantes atuais. A forma atual do jogo surgiu no sudoeste da Europa na segunda metade do século XV, durante o Renascimento, após ser desenvolvido de suas antigas origens. O xadrez pertence à família dos jogos Xiangqi e do Shogi e, atualmente segundo historiadores do enxadrismobr. (ou xadrezismopt.), todos eles se originaram do jogo Chaturanga, que se praticava na Índia.
Pode ser classificado como um jogo de tabuleiro de estratégia (do tipo recreativo ou competitivo) para dois jogadores. O tipo ocidental é diferente dos seus antecessores antigos (persa e indiano) e de outras variantes atuais. A forma atual do jogo surgiu no sudoeste da Europa na segunda metade do século XV, durante o Renascimento, após ser desenvolvido de suas antigas origens. O xadrez pertence à família dos jogos Xiangqi e do Shogi e, atualmente segundo historiadores do enxadrismobr. (ou xadrezismopt.), todos eles se originaram do jogo Chaturanga, que se praticava na Índia.

É uma regra do jogo que o exército da cor mais clara inicie o jogo. Há alguns anos atrás, conhecida como a Era Romântica do xadrez, era de costume atacar sem calcular os riscos, entregando vários de seus peões. Esta técnica consistia em tornar a vitória ainda mais bonita e difícil. Alguns anos depois, o primeiro vencedor do campeonato mundial de xadrez: Wilhelm Steinitz, desenvolveu novas maneiras de vencer o jogo baseadas na razão e estratégia. A partir disso, alguns princípios fundamentais começaram a ser nomeados, como os quatro quadrados centrais do tabuleiro, conhecidos como o coração do jogo. Ao dominar essa região, você possui melhor controle sobre os rumos da partida. Depois da Era hipermodernista, o centro do tabuleiro deixou de ser um alvo de controle para se tornar uma armadilha mortal, já que a maioria dos jogadores tentam mirar suas peças para poderem eliminar outras que cruzem o meio do jogo.

Neste jogo, é preciso dominar muitas estratégias, sabendo como se livrar de situações onde o fim parece próximo. Para isso, é preciso desenvolver prática e costume jogando-o várias vezes. Embora pareça difícil, qualquer pessoa pode jogar o xadrez desde que saiba as regras do game, diferente de alguns anos atrás onde o xadrez era destinado apenas aos estrategistas e inteligentes.

A história do xadrez

Na terminologia enxadrística, os jogadores de xadrez são conhecidos como enxadristas.
Na terminologia enxadrística, os jogadores de xadrez são conhecidos como enxadristas.

Mais que um jogo, o xadrez, um dia, também foi considerado um item de disputa entre soviéticos e capitalistas. Com o torneio mundial de xadrez, o jogo era considerado um meio de medir a vitória intelectual dos comunistas e ocidente decadente. Durante anos, apenas jogadores soviéticos eram capazes de vencer o campeonato, mas tudo mudou quando o norte-americano Bobby Fischer, conhecido atualmente como sendo um dos melhores jogadores de xadrez da história, decidiu se classificar, e para a surpresa de muitos na época, ele venceu.

Este por ser um de estratégia e tática, não envolve o elemento sorte. A única exceção é o sorteio das cores no início do jogo, já que as brancas sempre fazem o primeiro movimento, tendo assim uma pequena vantagem por isso. Este fenômeno é demonstrado por um grande número de estatísticas e comentado por alguns enxadristas.
Este por ser um de estratégia e tática, não envolve o elemento sorte. A única exceção é o sorteio das cores no início do jogo, já que as brancas sempre fazem o primeiro movimento, tendo assim uma pequena vantagem por isso. Este fenômeno é demonstrado por um grande número de estatísticas e comentado por alguns enxadristas.

O xadrez passou a ser utilizado como metáfora por muitos canais de comunicação, e o jogo tornou- se referência de entretenimento. É importante ressaltar que uma partida de xadrez costuma levar horas para ser concluída, já que se tratam de muitas peças e cada movimento deve ser extremamente calculado. Em 2020, algumas empresas de brinquedos e artigos voltados ao entretenimento repararam que durante a pandemia, o jogo passou a ser reestocado a cada semana, já que as prateleiras que o continham ficavam constantemente vazias devido à alta demanda pelo jogo. Isto pode ter sido causado pela maior disposição de horário que a quarentena proporcionou, levando mais pessoas a experimentar o xadrez.

Além disso, é possível reparar que as técnicas e estratégias de jogo foram acompanhando os movimentos artísticos da época, como a Era Romântica, o Realismo e o Hipermodernismo. Isso significa que o xadrez também pode ser considerado um símbolo de expressão artística, bem como um marco cultural, que transcende idades, credos e culturas.

O xadrez e a computação

Atualmente, podemos considerar que estamos passando pela era da tecnologia, e mesmo que o xadrez seja um jogo tão antigo, o mesmo foi acompanhando as tendências do mundo moderno e passou a se adaptar ao virtual. Sendo assim, foi necessário programar computadores que permitissem que pessoas jogassem xadrez sozinhas com adversários feitos de inteligência artificial. Os softwares exercem as mesmas funções que um humano exerceria em uma partida, e isso foi possível através de pequenos comandos programados que, depois de muitas horas de prática consigo mesma, a inteligência artificial consegue desvendar as artimanhas do jogo e desenvolve suas próprias técnicas, tornando-se assim um adversário competente e digno.

As máquinas conseguem processar muito mais informações por segundo do que um ser humano, sendo assim, estes conseguem analisar todos os caminhos possíveis em uma pequena parcela de tempo, escolhendo o melhor para prosseguir. Portanto, é possível afirmar que nos dias de hoje, as máquinas são as melhores jogadoras de xadrez que existem, desafiando até os melhores e mais conhecidos jogadores.