Porque não vivemos para sempre? Porque nós morremos?

Sob a ótica da ciência – abstraindo portanto de considerações religiosas e espirituais – porque os seres vivos morrem? Qual é a explicação que a ciência apresenta para explicar esse fenômeno do nascimento, desenvolvimento e declínio do ser vivo, em especial o ser humano?

Saúde
Publicado em 24/03/2022 por Alan Corrêa
Porque não vivemos para sempre? Porque nós morremos?

O corpo humano é constituído de elementos que estão em constante mutação. Em certa fase da vida essa mudança se dá pelo desenvolvimento, e em idade mais avançada pelo declínio das funções e das células.

Corpo de natureza perecível

Esse decaimento pode acontecer de forma natural, ou seja, sem a intervenção de nada exterior ao corpo que morre, é o que chamamos de morte natural ou por velhice. Ou pode acontecer também pela lesão – acidental ou intencional – de alguma parte vital do corpo, que leva à morte imediata ou reduz a capacidade de sobrevivência do organismo.

Vida é uma característica que distingue entidades físicas que têm processos biológicos, como processos de sinalização celular e autossuficiência, daquelas que não têm, seja porque tais funções cessaram, ou porque nunca tiveram tais funções e são classificadas como inanimadas.
Vida é uma característica que distingue entidades físicas que têm processos biológicos, como processos de sinalização celular e autossuficiência, daquelas que não têm, seja porque tais funções cessaram, ou porque nunca tiveram tais funções e são classificadas como inanimadas.

Faz parte da própria natureza das coisas que o ser humano caminhe para a morte. Aos poucos, as células do corpo vão se renovando cada vez mais devagar, com mais dificuldade, até que começam a morrer mais do que se reproduzir. O organismo vai perdendo a capacidade de adaptação, as suas respostas vão ficando mais fracas, lentas e imprecisas, os tecidos e órgãos vão perdendo sua funcionalidade até que a ausência de funções de um órgão vital leve à morte do todo o organismo.

O que acontece com o corpo depois da morte?

Ao contrário do que se acreditava antigamente, a decomposição do corpo começa de dentro do próprio organismo, fenômeno que recebe o nome de autólise ou auto digestão. Isso acontece porque quando as células deixam de receber oxigênio tornam-se mais ácidas por causa das substâncias tóxicas liberadas pelas reações químicas, e com isso as enzimas começam a comer, literalmente, as membranas das células.

Esse decaimento pode acontecer de forma natural, ou seja, sem a intervenção de nada exterior ao corpo que morre, é o que chamamos de morte natural ou por velhice
Esse decaimento pode acontecer de forma natural, ou seja, sem a intervenção de nada exterior ao corpo que morre, é o que chamamos de morte natural ou por velhice

Isso faz com que os vasos sanguíneos se rompam e os glóbulos brancos, que acabaram de vazar, começam a buscar as capilaridades, motivo pelo qual o cadáver apresenta uma pela mais esbranquiçada. A temperatura começa a cair, pois não há mais circulação sanguínea, levando o corpo a adquirir certa rigidez.

Tudo se desgasta com o tempo

Pesquisas recentes indicam que o declínio do ser humano começa quando suas células-tronco começam a perder a vitalidade
Pesquisas recentes indicam que o declínio do ser humano começa quando suas células-tronco começam a perder a vitalidade

O tempo é o maior inimigo de tudo quanto é material. Com muita paciência ele é capaz de derrotar os maiores adversários, implacável e indestrutível. Com o seu passar, todas as coisas materiais – com maior ou menor intensidade – se desgastam e deterioram. No caso dos seres vivos esse desgaste conduz à morte inevitável.

Pesquisas recentes indicam que o declínio do ser humano começa quando suas células-tronco começam a perder a vitalidade, ou seja, deixam de revitalizar tecidos vitais. Por melhores que elas sejam, em certo momento se cansam e param de trabalhar, elas se aposentam.

Células-tronco adultas estão em todos os nossos órgãos, e sua função é se dividir por meio de um processo chamado mitose e dessa forma dar origem a novas células daquele mesmo órgão. Quando elas deixam de trabalhar, o órgão vai perdendo sua capacidade pelo desgaste a que está submetido por seu trabalho.

De acordo com os cientistas, as células-tronco possuem um limite de multiplicação, elas são capazes de se dividir um número determinado de vezes, e é isso que dá limites à vida humana. O grande desafio é “driblar” o sistema e repor o estoque de células-tronco à medida que as “originais” vão de desgastando. Mas até agora a ciência não conseguiu fazer isso.

*Com informações da BBC, Super Interessante e Época.

Techdoido

Techdoido é um canal de jornalismo independente com a missão de levar informação sobre tecnologia, redes sociais, aplicativos e muito mais com diversidade de opiniões para você tomar a melhor decisão. A tecnologia faz parte da nossa vida.